Destaques

Últimas Notícias

ENCONTRO ENTRE CONTEC E REPRESENTANTES DO ITAU-UNIBANCO - EM PAUTA PLANO DE SAÚDE

Terça, 19 Março 2019

Na ultima sexta feira, representantes da CONTEC  com representantes do Banco Itaú, onde a Federação dos Bancários do Paraná e seus sindicatos filiados esteve representada pelos Diretores do Sindicato dos Bancários de Ponta Grossa

POBRE QUE TRABALHA DESDE CEDO CONTRIBUIRÁ 11 ANOS A MAIS PARA SE APOSENTAR

Terça, 19 Março 2019

 

Os brasileiros pobres geralmente começam a trabalhar mais cedo e, com a reforma da Previdência, terão de contribuir muito mais anos ao INSS do que o mínimo necessário para ter o direito de se aposentar.

COE CONTEC REÚNE-SE COM BRADESCO EM SP NESTA QUINTA

Terça, 19 Março 2019

A COE (Comissão Específica de Funcionários do Bradesco) da Contec reúne-se nesta quinta-feira, dia 21, em São Paulo, para discutir vários assuntos de interesse dos empregados do Bradesco.

PRÉVIA DO PIB REGISTRA QUEDA DE 0,41% EM JANEIRO

Terça, 19 Março 2019

O índice de atividade calculado pelo BC passou de 138,76 pontos para 138,19 pontos na série dessazonalizada, o menor patamar com ajuste desde outubro de 2018 (Fabrício de Castro)

Buscar Notícias

Newsletter

Receba notícias importantes em seu e-mail.

Temos 112 visitantes e Nenhum membro online

O Bradesco tem sido um dos bancos que mais fecha postos de trabalho no Brasil e tem promovido uma onda de demissões que acabou com o emprego de dezenas de bancários em Rondônia nos últimos meses,

mesmo com o lucro líquido de R$ 10,263 bilhões, no 1º semestre de 2018, crescimento de 9,7%, em relação ao mesmo período de 2017.


Mas a sanha em demitir funcionários que dedicaram décadas de suas vidas ao trabalho não é apenas a única forma que o Bradesco encontrou para promover um permanente flagelo aos seus funcionários. Agora o banco se nega a abrir a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) para os empregados que foram diagnosticados como ‘inaptos’ ao trabalho pelo médico contratado pelo próprio banco.

O último caso foi de uma bancária da agência da avenida Carlos Gomes, no Centro de Porto Velho, que ao fazer exame periódico, foi diagnosticada pelo médico do banco como ‘inapta’. O especialista a encaminhou para um ortopedista que, após exames complementares, confirmou a doença ocupacional e concedeu, à trabalhadora, um atestado de 60 dias para que ela se afastasse do trabalho para tratamento médico.

Quando a empregada levou o resultado do atestado do perito do banco e do laudo do ortopedista à direção, o banco se recusou a abrir a CAT, afrontando a lei e, principalmente, aumentando a agonia da trabalhadora, que sem a CAT, não pode ter acesso aos seus direitos juntos ao INSS.

“É de uma insensibilidade sem precedentes o que o banco está promovendo com os trabalhadores, se negando a abrir uma simples CAT para que as pessoas que adoeceram de tanto trabalhar para o banco – e com isso, gerar lucros à instituição – sob constante pressão e perseguição, possam usufruir do seu direito de cuidar da própria saúde. 

Continuamos cobrando uma providência imediata do Departamento de Recursos Humanos do Bradesco, e caso essa negativa em abrir a CAT continue, vamos denunciar tamanho descaso com o ser humano ao Ministério Público do Trabalho, à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) e à toda a sociedade, pois não podemos aceitar que um banco que tanto lucra trate com tamanha desumanidade inúmeros pais e mães de família que adoecem de tanto trabalhar para o banco”, destacou José Pinheiro, presidente do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO) e funcionário do Bradesco. (Fonte: Seeb RO)