Destaques

Últimas Notícias

TAMBÉM É UM TORMENTO SER EMPREGADO, DIZ PROCURADOR-GERAL DO TRABALHO

Terça, 18 Dezembro 2018

O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, afirmou que também é um tormento ser empregado no Brasil, após o presidente eleito, Jair Bolsonaro, ter voltado a dizer que é muito difícil ser empresário.

BANCOS DO NORDESTE E DA AMAZÔNIA TERÃO HEADHUNTER

Terça, 18 Dezembro 2018

 

Plano de ajuste da Caixa já foi alvo de ataques de partidos que lotearam cargos Foto: Werther Santana/Estadão

BRADESCO NÃO VAI FECHAR CAPITAL DA CIELO, DIZ PRESIDENTE DO BANCO

Terça, 18 Dezembro 2018

Maior empresa de meios de pagamentos eletrônicos do país, Cielo tem sofrido os efeitos do aumento da concorrência no setor.

EM ACORDO, TST TROCA REGRA EXTINTA NA REFORMA TRABALHISTA POR BÔNUS

Terça, 18 Dezembro 2018

Pagamento por trajeto entre casa e empresa é atrelado a assiduidade; Vale e sindicatos aceitam (Arthur Cagliari)

Buscar Notícias

Newsletter

Receba notícias importantes em seu e-mail.

Temos 96 visitantes e Nenhum membro online

Trabalhadores do sexo masculino fecharam o ano com remuneração média de R$ 3.181, enquanto mulheres ganharam R$ 2.708

Na comparação com o salário médio dos homens, em 2017, as mulheres encerraram o ano ganhando 17,46% a menos que os trabalhadores do sexo masculino, revelam os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho, divulgados na sexta-feira (28). A discrepância salarial acompanhada da divisão de gênero reflete um conjunto de práticas culturais, segundo o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio.

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, o diretor técnico destacou que em muitas gestões é comum que as práticas salariais adotadas para as mulheres sejam menores, apresente desvantagens na permanência dentro do mercado de trabalho, restrinja sua participação em ocupação de baixa remuneração e relativize a cultura do trabalho duplo e de cuidados.

"Isso as afastam destas condições de igualdade de presença no mercado de trabalho e essa desigualdade acaba conferindo a elas a desigualdade salarial", avalia Clemente sobre o levantamento, que indica o fechamento do salário dos homens em R$ 3.181, enquanto o das mulheres em R$ 2.708, 85,1% da remuneração masculina.

Para ele, a lenta variação positiva que o Brasil vem apresentando, com um crescimento de 1,8% no salário das mulheres na comparação com 2016, passa pela criação de condições objetivas, culturais e que permitam a ascensão da força feminina no mercado de trabalho. (Fonte: Rede Brasil)