Destaques

Últimas Notícias

PLENÁRIO APROVA TEXTO-BASE DE MP QUE ALTERA REGRAS TRABALHISTAS DURANTE PANDEMIA

Sexta, 29 Maio 2020

Najara Araújo/Câmara dos Deputados Deputados aprovaram quatro destaques que alteram pontos do texto do relator

CORONAVÍRUS: BANCÁRIOS CONTAMINADOS NA BAIXADA SANTISTA JÁ SÃO DEZENAS

Sexta, 29 Maio 2020

Sindicato de Santos revela situação no Santander, Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e CEF. A situação pode piorar com a flexibilização

BB, BRADESCO, ITAÚ E SANTANDER SÃO ACUSADOS DE PROPAGANDA ENGANOSA NA PANDEMIA

Sexta, 29 Maio 2020

Bancos recebem intimação da justiça por propaganda enganosa.

PRIVATIZAR BB AFETARIA CRÉDITO E REDUZIRIA CONCORRÊNCIA, DIZEM ANALISTAS

Sexta, 29 Maio 2020

(Por João José Oliveira) Vender a "p..." do Banco do Brasil, como deseja o ministro da Economia, Paulo Guedes, enfrenta tantos desafios que consultores e profissionais de mercado descartam um cenário em que a instituição financeira controlada pelo governo federal seja privatizada na atual gestão Bolsonaro.

Buscar Notícias

Newsletter

Receba notícias importantes em seu e-mail.

Temos 113 visitantes e Nenhum membro online

Trabalhadores do sexo masculino fecharam o ano com remuneração média de R$ 3.181, enquanto mulheres ganharam R$ 2.708

Na comparação com o salário médio dos homens, em 2017, as mulheres encerraram o ano ganhando 17,46% a menos que os trabalhadores do sexo masculino, revelam os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho, divulgados na sexta-feira (28). A discrepância salarial acompanhada da divisão de gênero reflete um conjunto de práticas culturais, segundo o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio.

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, o diretor técnico destacou que em muitas gestões é comum que as práticas salariais adotadas para as mulheres sejam menores, apresente desvantagens na permanência dentro do mercado de trabalho, restrinja sua participação em ocupação de baixa remuneração e relativize a cultura do trabalho duplo e de cuidados.

"Isso as afastam destas condições de igualdade de presença no mercado de trabalho e essa desigualdade acaba conferindo a elas a desigualdade salarial", avalia Clemente sobre o levantamento, que indica o fechamento do salário dos homens em R$ 3.181, enquanto o das mulheres em R$ 2.708, 85,1% da remuneração masculina.

Para ele, a lenta variação positiva que o Brasil vem apresentando, com um crescimento de 1,8% no salário das mulheres na comparação com 2016, passa pela criação de condições objetivas, culturais e que permitam a ascensão da força feminina no mercado de trabalho. (Fonte: Rede Brasil)