Destaques

Últimas Notícias

ENCONTRO ENTRE CONTEC E REPRESENTANTES DO ITAU-UNIBANCO - EM PAUTA PLANO DE SAÚDE

Terça, 19 Março 2019

Na ultima sexta feira, representantes da CONTEC  com representantes do Banco Itaú, onde a Federação dos Bancários do Paraná e seus sindicatos filiados esteve representada pelos Diretores do Sindicato dos Bancários de Ponta Grossa

POBRE QUE TRABALHA DESDE CEDO CONTRIBUIRÁ 11 ANOS A MAIS PARA SE APOSENTAR

Terça, 19 Março 2019

 

Os brasileiros pobres geralmente começam a trabalhar mais cedo e, com a reforma da Previdência, terão de contribuir muito mais anos ao INSS do que o mínimo necessário para ter o direito de se aposentar.

COE CONTEC REÚNE-SE COM BRADESCO EM SP NESTA QUINTA

Terça, 19 Março 2019

A COE (Comissão Específica de Funcionários do Bradesco) da Contec reúne-se nesta quinta-feira, dia 21, em São Paulo, para discutir vários assuntos de interesse dos empregados do Bradesco.

PRÉVIA DO PIB REGISTRA QUEDA DE 0,41% EM JANEIRO

Terça, 19 Março 2019

O índice de atividade calculado pelo BC passou de 138,76 pontos para 138,19 pontos na série dessazonalizada, o menor patamar com ajuste desde outubro de 2018 (Fabrício de Castro)

Buscar Notícias

Newsletter

Receba notícias importantes em seu e-mail.

Temos 96 visitantes e Nenhum membro online

Redecard questionou sobre cláusulas contratuais que estariam sendo impostas pelas bandeiras Visa, Mastercard, Elo e American Express

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu abrir um processo administrativo para investigar se há infração à ordem econômica na atuação de bandeiras de cartão de crédito. O processo foi aberto após consulta feita pela credenciadora Redecard, do Itaú, que questionou ao Cade sobre cláusulas contratuais que estariam sendo impostas pelas bandeiras Visa, Mastercard, Elo e American Express.

De acordo com a Redecard, essas bandeiras estariam obrigando credenciadoras a obter informações sensíveis sobre atividades de concorrentes, uma vez que a Redecard tem acesso a dados de lojistas e clientes das bandeiras.

A conselheira relatora da consulta, Paula Azevedo, entendeu que a obtenção de dados pela Redecard pode configurar ilícito e o tribunal decidiu encaminhar a questão para a superintendência-geral do Cade, que investigará o assunto.

Para a conselheira Cristiane Alkmin, a questão sobre o acesso a dados deveria ser regulamentada pelo Banco Central. "O Cade vai tentar suprir um vácuo regulatório que hoje existe", afirmou. (Fonte: Agência Estado