Destaques

Últimas Notícias

GUEDES ASSUMIRÁ FUNÇÕES DO TRABALHO E APROFUNDARÁ FLEXIBILIZAÇÃO DE DIREITOS

Segunda, 12 Novembro 2018

O rearranjo ministerial integra um conjunto de mudanças planejadas pelos assessores de Bolsonaro dentro de um projeto maior que prevê o aprofundamento da reforma trabalhista

REFORMA TRABALHISTA FOI A MAIOR PROPAGANDA ENGANOSA DO GOVERNO TEMER

Segunda, 12 Novembro 2018

Baseado nos argumentos utilizados pelo governo Michel Temer, por deputados federais e senadores de sua base de sustentação e por associações empresariais para defender a aprovação da Reforma Trabalhista,

UM ANO DE VIGÊNCIA DA REFORMA TRABALHISTA, NÃO GEROU EMPREGO E PRECARIZOU TRABALHO

Segunda, 12 Novembro 2018

Lei Trabalhista de Temer só gerou emprego indecente, sem carteira, sem direitos

CAMPANHA JÁ SUPERA 2 MILHÕES DE ASSINATURAS CONTRA AUMENTO DE SALÁRIO DO STF

Segunda, 12 Novembro 2018

A iniciativa foi feita pelo Partido Novo, que também peticionou o presidente Michel Temer contra o aumento

Buscar Notícias

Newsletter

Receba notícias importantes em seu e-mail.

Temos 80 visitantes e Nenhum membro online

O CMN (Conselho Monetário Nacional) decidiu nesta segunda-feira (29) que os bancos poderão reduzir o limite do cartão de crédito dos seus clientes antes de 30 dias de prazo, que era a regra em vigor até agora.

Isso poderá ser feito nos casos em que o perfil de risco de crédito do cliente piorar rapidamente. Até agora, as instituições financeiras tinham que avisar todos os correntistas, independentemente do perfil de crédito, que reduziriam o limite do cartão e esperar 30 dias para efetuar essa ação.

"Com a mudança, o limite poderá ser reduzido mais rapidamente, em caráter excepcional, nos casos de deterioração do perfil de risco de crédito do cliente", afirmou o Banco Central. "Ao tornar mais eficiente o processo de gerenciamento de risco das instituições financeiras, há benefício para o usuário do sistema financeiro".

O BC afirmou que a expectativa é que a medida possa ajudar a reduzir o spread (diferença entre o que os bancos cobram para captar recursos e o que cobram na ponta).

"Essa medida permitirá uma gestão de risco mais apurada pelos bancos, o que evitará um eventual aumento de spread por essa razão", afirmou João André Pereira, chefe do departamento de regulação do Sistema Financeiro do Banco Central. (Fonte: Bem Paraná)