Medida entraria em vigor nesta segunda-feira (9), mas implementação é mais complexa do que parece e fez Febrabran adiar o início do recebimento; veja

O pagamento de boletos vencidos com valores inferiores a R$ 2 mil em qualquer agência bancária ficará para o próximo ano. A informação e o adiamento foi comunicado nesta segunda-feira (9) pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A explicação da Federação para o adiamento é que a implementação do recebimento é mais complexa do que parecia ser.

Para colocar a nova regra em prática, a Febrabran optou pelo escalonamento. Na primeira etapa, os bancos passaram a aceitar o pagamento de boletos vencidos com valores a partir de R$ 50 mil. No mês passado, o valor mínimo foi reduzido para R$ 2 mil. Nesta segunda-feira (999) seria a vez de receber os boletos a partir de R$ 500, mas foi adiado. Em novembro seriam os documentos com valores inferiores a R$ 200.

A estimativa anterior da Febraban era até dezembro, os documentos vencidos, em qualquer valor, poderiam ser pagos em qualquer banco.

“Em função do volume elevado de documentos que irão trafegar pelo novo sistema – cerca de quatro bilhões de boletos por ano, montante comparável à capacidade das grandes processadoras de cartões de crédito do mundo – o setor bancário decidiu rever o cronograma original, que previa a inclusão de todos os boletos na Nova Plataforma de Cobrança já a partir de dezembro”, disse a federação em nota.

Foi informado ainda pela Febrabran que as novas datas para que a medida entre em vigor serão informadas ao consumidor posteriormente.

Tecnologia Com o adiamento e a melhoria com o novo sistema, a Federação explicou que os registros dos boletos e o compartilhamento de informações entre as instituições bancárias eliminará o risco de pagamento de boletos em duplicidade.

Quando um boleto é apresentado em algum banco, o sistema informa se ele já tiver sido pago, evitando novo pagamento por engano, seja boletos dentro da data de vencimento ou boletos vencidos.

 

“O novo sistema reduz inconsistências de dados e permite a identificação do emissor e do pagador do boleto, facilitando o rastreamento de pagamentos e redução das fraudes, fonte de preocupação permanente para todo o sistema bancário”, destacou a entidade. (Fonte: Brasil Econômico)